VAMOS ÀS FOLECRAS

TURISMO NA NATUREZA

               
               
Paisagem protegida da Albufeira do Azibo                  
                   

Apenas a 10 minutos de carro da Casa de Salsas, a Paisagem Protegida da Albufeira do Azibo, com uma área de 4.897 ha, está localizada, na sua quase totalidade, no Concelho de Macedo de Cavaleiros, abrangendo as freguesias de Vale da Porca, Santa Combinha, Podence, Salselas, Vale de Prados e Quintela de Lampaças do Concelho de Bragança.

Entre as numerosas actividades que se podem praticar neste espaço natural destacam-se a observação de aves, a fotografia de natureza, a canoagem, opedestrianismo ou o puro e simples ócio numa das praias fluviais de bandeira azul.

Localizada em Macedo de Cavaleiros, a praia fluvial do Azibo é uma das mais prestigiadas da Europa, é aquela que há mais anos consecutivos tem Bandeira Azul (praia limpa), constando assim nas listas europeias de melhores locais culturais e turísticos, sendo que nas infraestruturas constam restaurantes, cafés, parque de campismo, WC, chuveiros, parque de estacionamento, aluguer de barcos, etc.

Localização

                   
Parque Natural de Montesinho                  
                   

"Nenhuma outra área protegida expressa tão bem o contraste das estações do ano como Montesinho."
NATIONAL GEOGRAPHIC - Dezembro 2004, Revista N.º 45

O Parque Natural de Montesinho (PNM) situa-se no Nordeste Transmontano (Portugal). Tem uma dimensão de cerca de 75 mil hectares. Apresenta um relevo heterogéneo, com planaltos ondulados cortados por profundos vales encaixados, bem como algumas serras, das quais as duas mais importantes são a Serra de Montesinho, a norte de Bragança, e a Serra da Coroa, a norte de Vinhais. As altitudes variam entre os 1486 metros, na Serra de Montesinho e os 438 metros no leito do rio Mente. Nele existe extensa biodiversidade, habitando espécies como o lobo-ibérico, a corça ou o veado.

O mesmo é atravessado por alguns dos cursos de água mais importantes da bacia hidrográfica do Douro e pelos rios Sabor, Maçãs, Baceiro, Mente, Rabaçal e Tuela, que, de vales profundos e águas ora cristalinas ora negras, com propriedades termais ou simplesmente refrescantes para o calor tórrido do Verão da região, serpenteiam vales tão depressa inóspitos como verdejantes e cheios de vida, tanto animal como vegetal. São ainda pontuados por ancestrais moinhos, na maior parte ainda utilizados pela população, e atravessados por milenares pontes romanas. Constituem atrativo para a prática da pesca, com exemplares de trutas, bogas, barbos e escalos e para caminhadas à descoberta da natureza.

Localização

                   
Serra de Nogueira                  
                   

A Serra de Nogueira ou Serra da Pena Mourisca é a undécima maior elevação de Portugal Continental, com 1319 metros de altitude.1 Situa-se no Alto Trás-os-Montes, nos concelhos de Bragança, Macedo de Cavaleiros e Vinhais. No sopé nordeste da serra está a aldeia de Nogueira.

Aqui se encontra o maior carvalhal de Portugal. No ponto mais alto da serra existe um santuário mariano de invocação Nossa Senhora da Serra.
                   
Localização
                   
Parque Natural do Douro Internacional                  
                   

O Parque Natural do Douro Internacional é um parque natural que abrange a área em que o rio Douro constitui a fronteira entre Portugal e Espanha, bem como o rio Águeda, afluente do Douro. Inclui áreas dos municípios de Mogadouro, Miranda do Douro, Freixo de Espada à Cinta e Figueira de Castelo Rodrigo.

A região inclui-se no domínio do carvalhal - bosques de carvalho-negral Quercus pyrenaica e carvalho-cerquinho Quercus faginea, nas zonas de maior altitude e de azinheira Quercus rotundifolia e sobreiroQuercus suber, nos terrenos mais secos. Há zimbrais e lodoais nos vales apertados e em esporões rochosos do Douro e seus afluentes, bosques de amieiros, salgueiros e freixos junto às linhas de água e grandes extensões de giesta Cytisus striatus e esteva Cistus ladanifer.

A fauna presente neste Parque Natural distingue-se pelo número de espécies e pelo seu estatuto de conservação. Nas aves, o milhafre-real, o chasco-preto, o abutre-do-egito, o tartaranhão-caçador, a águia-real, a águia-de-bonelli, a gralha-de-bico-vermelho, a cegonha-preta, o falcão-peregrino, entre outros. Todas estas aves têm o seu habitat preferencial nas arribas, com exceção do milhafre-real e do tartaranhão-caçador  que ocupam o planalto.

Mais informações em http://www.icnf.pt/portal/ap/p-nat/pndi/class-carac

 

 
Aldeias Históricas                  
                   

Podem ser visitadas na região de Bragança várias localidades com elevado interesse histórico e patrimónico:

Rio de Onor, pitoresca esta tradicional aldeia comunitária, onde os usos e costumes de antigamente continuam bem vivos no dia a dia das populações. Tem interessante património edificado, como a Igreja Matriz, a ponte romana, os moinhos, o lagar, o forno e a forja comunitários. As suas casas de pedra solta, cobertas de ardósia, são louvores à tradicional arte construtiva das populações locais. Digna de visita também a Igreja Paroquial em Guadramil.

Gimonde, interessante freguesia rural, encruzilhada de várias estradas locais, onde realça a ponte romana de seis arcos. No local do Arrabalde, vestígios de antigo povoado fortificado, com uma linha de muralhas, fosso e torreão. Localiza-se sobre um esporão e tem planta elíptica. Os seus rios Onor e Sabor, interessantes pontos pesqueiros, proporcionam-nos belas paisagens e locais aprazíveis.

Izeda, junta à capela de Santo Apolinário há vestígios da primitiva existência de um povoado romano com a singular característica de ter sido erigido numa vertente. Também perto das ruínas da capela de Santa Eulália surge-nos uma necrópole de sepulturas em lajes e vestígios da ocupação romana, onde teria existido uma provável “villa”. O castelo de Izeda, teria sido um povoado fortificado de planta circular, com duas linhas de muralhas defensivas.

Castro de Avelãs, em zona planáltica, rondando os 500 metros de altitude e banhada pelo rio Fervença, afluente do Sabor, surge-nos esta povoação de origem antiquíssima e com importante legado Histórico. Por aqui passava a estrada romana que ligava Braga a Astorga, bem documentada quer nos troços de calçada existentes e na sua ponte romana, quer nos vestígios do antigo castro, no designado Cabeço do Castro, ou “Torre Velha”, de que se desconhece a origem, mas onde têm vindo a surgir valiosíssimos testemunhos arqueológicos de épocas proto-históricas, Idade do Ferro ao Período Romano, bem demonstrativos da sua importância em toda a Alta IdadeMédia. Também recentes escavações arqueológicas promovidas pelo IPPAR, nos terrenos circundantes ao Mosteiro,  trouxeram a lume rico espólio originário daquela época romana e datado dos séculos I a V. Mas dos mais imponentes monumentos da região, são sem dúvida as ruínas do antigo mosteiro beneditino, com origem provável no século X, que vincam a história local. Trata-se de uma notável construção de estilo românico e arquitectura “hispânica”. Teve grande importância no povoamento da região e dependeu até 1218, do abade espanhol daquela Ordem. Aqui se hospedou o duque de Lencastre, em 1387, antes do seu encontro com D. João I. Da igreja apenas restam a abside e absidíolas. Apresenta uma estrutura em semicírculos de tijolo, com janelas cegas de arcos abatidos e abóbadas. Num dos seus absidíolos existe um interessante arcaz tumular, em formato prismático, que diz a tradição popular ser o tumulo do poderoso cavaleiro Conde de Ariães, tenebrosa e lendária personagem da história. Este monumento é um raro exemplar da arte medieva.

Nesta freguesia existe ainda um outro templo de origem medieva, com interessante talha dourada, a Igreja das Fontes.

Izeda, junta à capela de Santo Apolinário há vestígios da primitiva existência de um povoado romano com a singular característica de ter sido erigido numa vertente. Também perto das ruínas da capela de Santa Eulália surge-nos uma necrópole de sepulturas em lajes e vestígios da ocupação romana, onde teria existido uma provável “villa”. O castelo de Izeda, teria sido um povoado fortificado de planta circular, com duas linhas de muralhas defensivas.

Milhão, Igreja de São Lourenço. Castro de Cativelos, antigo povoado fortificado com duas linhas de muralhas. Castro da Terronha, no lugar do Vilar, num cabeço, tem forma eliptíca, uma linha de muralhas e dois torreões. O Castelo dos Mouros, também no lugar do Vilar, com uma linha defensiva e um torreão. Buraco da Moura, abrigo pré-histórico em crista quartzífera.

Quintanilha, povoação muito antiga, existindo vestígios de ocupação romana, que teriam explorado as minas de chumbo existentes no local. Do património edificado, realce para a Igreja Paroquial de Veigas, templo românico, profundamente alterado. Tem nave simples e arco triunfal de volta perfeita assente em elegantes colunas com capitéis ricamente decorados com palmetas. Frescos de inspiração bíblica completam a decoração do local. Igreja de São Vicente de origem românica com interessantes arcos e pinturas a fresco. Ermida/Santuário de Nossa Senhora da Ribeira, local de realização de concorridas romarias. Conta a tradição que foi mandada construir pela Rainha Santa Isabel, no local onde ela e a sua comitiva foram recebidos, quando vinda de Aragão, para desposar o rei D. Dinis.